O Adeus (causo do menino que crescia)

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Deitei minha cabeça sobre o peito já nu há algum tempo.
Ouço um sussurro dizendo “não, deixe eu ir”
Mas eu não estava a segurando, não com meus braços.

Interessante que não queria àquela altura nada que abrandasse meu coração, queria tormenta, queria a fúria no olhar e lábios trêmulos de cólera. Ergui a cabeça que tinha encontrado casa naquele seio moreno e vejo que não teria o que queria.
Respirei fundo e mergulhei igualmente fundo no olhar dela que pairava acima de minha cabeça.
Eu a odiei, foi por um segundo ou menos, mas eu a odiei. Ela era muito superior a mim e seu olhar transmitia isso, seus gestos, seu corpo retesado naquela cama, nu e exalando sexo, tudo estava acima de mim, inclusive o sentimento que nutríamos um pelo outro, meu amor era só um mimo para meu ego.

Vagabunda.
Foi o que pensei na hora e não havia justiça nesse meu pensamento.
Ela afagou minha cabeça enquanto ainda olhava pra ela e ali me senti como um cachorro abandonado, sabem?
Assim, por dor e raiva, desci com minha língua ao meio das pernas daquela mulher e mergulhei nela o mais fundo e rápido que pude naquele sexo que antes era só fonte de prazer.
Fiz isso porque sabia que sexo aquela altura machucaria sua alma e lembrava que ela mesma havia dito que “gosto de você, mas não podemos ficar juntos”.

Sim fizemos sexo mais uma última vez e só depois de alguns anos, quando atingi a maturidade que aquela mulher já possuía, percebi que o que a incomodava não era o sexo como despedida e sim a lança que eu mesmo apontava contra meu peito.
-----------------------------------------------------------------------------------------------


Esse é meu post de número 100 e como tal quero oferece-lo como agradecimento e homenagem a todos aqueles que vêem aqui e me fazem companhia.
Gente que aprendi a admirar e passei a gostar como se fosse um amigo próximo, porque amigos eu já os considero.
Que todas as alegrias sejam multiplicadas por 100.
Em especial á vocês:
Carla M
GilGomex
Barbarella
Laila
*.*Allegr!a*.*
HoneyBee
Marcelo
Larissa
Sam
Staphanie
Nina
Bruno
Arlequim
Ju carvalho.

Obrigado a todos vocês.

26 comentários:

carla m. disse...

Marcinho, tenha certeza que nós é que adoramos passar por aqui, atingir tua sensibilidade, rir com teus contos e saber um pouquinho de ti.

a gente comemora o post cem mais do que tu viu?!

beijocas

Laila disse...

Quer um pedaço? É de chocolate!!!
=)

Bolo, bolo, claro, porque demorou mas chegou.
E espero que venham mutos mais.

Laila disse...

Epa epa! Seu widget está marcando 94 artigos.

Barbarella disse...

Nossa, que honra fazer parte desta lista. vlw

Vira essa lança para outro lugar... Mas a vida é assim, nós mesmo sem perceber complicamos coisas tão simples.

bjos

gilgomex disse...

Thanx a lot!
Tradução: Um lote de obrigado!!! (heuheuheuheue
tradução muito boa)

Cara, que legal chegar ao número 100... Me lembro que há uns poucos dias eu cheguei ao número 200, aí veio a mudança de blogspot para wordpress e voltei para o blogspot, e nessas mudanças infernais, resolvi apagar alguns posts antigos que não tinham muito a cara da coluna... Agora devo ter uns 150... Ou seja, logo chego em 200 de novo.

Mas assim... Não dá pra ler seus textos perto de pessoas menores de idade... Censura 18 anos.
heuehuheuheuee
Abraço, e assim como a Barba e to0dos os outros seres, fiquei superfeliz e meio de constar nesta sua listas aí...

Marcelo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcelo disse...

No texto, as sensações são típicas de um menino, assim como todos os seus textos, de uma sensibilidade extraordinária. O fato é que estamos com lanças espetando o nosso peito a todo momento, mas só nos damos conta quando a lança esfola e deixa um arranhão.
Aliás, hoje, eu te citei a um aluno meu que começou um blogue há pouco tempo. Eu disse: Gustavo (o nome dele mesmo), seu texto parece o do Márcio Sarge, mesmo estilo e mesma qualidade, vale a pena divulgar. Acredito que ele vai aparecer por aí porque ele ficou curioso para conhecer o que você escreve.
Mas é isso, não sou bonzinho nem rasgo elogio para ninguém só para incentivar (isso eu deixo para as mães dos caras). Se acompanho seu blogue é porque desde o primeiro post que li encontrei maturidade, boa qualidade de texto, inteligência e criatividade.
Parabéns, Márcio... e que venham mais mil post.
Também o considero um amigo por quem nutro grande afeto e admiração, pode ter certeza disso.
Abraços

Marcelo

Marcio Sarge disse...

Laila meu anjo, meu widget é burro, muito burro demais rs.

E Marcelo pelo que conheço do seu caráter através do seu blog sei que o que diz é sincero por isso mesmo merece destaque sempre.

HoneyBee disse...

Mal posso esperar pelos próximos 100 posts! Adoro esse seu cantinho.

E diga-se, ótimo post 100, adoro quando você encarna o Nelson Rodrigues!

Mil beijinhos. =)

Arlequim disse...

Você sempre escreve tão bem e eu sempre saio meio que aliviada daqui, como se encontrasse resposta. Estranho não?
HUIAHAIAUHAIUHA
Só sei que adoro.
Meuu nome tá aliii.. \o/
eer, meu nome não, meu apelidoblog. HUIHAIAUHAAIUHAAUH
Adooreii.
Quem venham mais 100
Beijos, querido.
:]

HoneyBee disse...

Quando virá o 101? =)

André disse...

Não faço parte dessa lista, mas quem sabe um dia... Gostei do texto, acho que sabes usar muito bem as palavras e tens um senso crítico muito forte. E parabéns pelo sucesso do blog!

Kazejin disse...

excelente blog, otimo post

Miriã Soares disse...

A percepção do fim, da lança no peito foi magistral!

Edu França disse...

Esse texto me revela muita curiosidade muita ânsia por descobrir os sentidos femininos pela experimentação de emoções, como num laboratório íntimo e particular!

Stephanie disse...

Marcio!

ser lembrada num momento tão marcante quanto o centésimo post é uma honra! nossa! fiquei toda prosa =)

parabéns, que você tenha inspiração e sensibilidade para outros tantos textos. Que tenha também essa clareza de perceber o risco da lança apontada pra si mesmo e como certos gestos, mesmo incoerentes como se manter perto na hora do adeus são movidos intensidades como o que se chama por aí de amor.

=)

Nicolle Longobardi disse...

Escreve com sensibilidade e alma de menino,clareza e inteligência de um grande homem!Parabéns pelo blog rapaz..Beeijos!

Diego disse...

Realll atéee

Nina Ferreira disse...

É incrível que mesmo com tal número de posts você ainda consiga resplandecer a força, a sensibilidade e a ternura dos seus textos com tanta maestria. Você é imbatível, meu bom. Obrigada a você por me fazer tão feliz a cada vez que visito seu blog.

Mil beijos.

Pâmela disse...

Parabéns pelo centésimo post!
Em um ano eu nem cheguei ao 50 ainda ):

Paulo Bono disse...

a última foda é sempre chata.
grande abraço

Laila disse...

Olha só quem fala!
Fica mais de uma semana sem postar, vc acha que seus leitores não sentem falta?
=P

HoneyBee disse...

meu querido, vc usa gtalk? será que posso adicioná-lo?

Gilgomex™ disse...

axei q aquele "adeus" do título, fosse apenas referente ao texto e não realmente adeus... kd tu??
muito tempo sem post...

Arlequim disse...

Desistir jamais, meu bem. ;)

Fábio Flora disse...

Nossa, 100 posts! Você foi longe, viu? Parabéns! Abraços e sucesso com o blog!

 
Blog do Sarge - Templates para novo blogger