Coro dos Escravos

terça-feira, 4 de novembro de 2008




Não há esperança para os fracos naquele terra. Triunfa a desordem e floresce às primaveras o medo e a angustia, se há o riso, ele nasce do desespero.
O sol nasce glorioso nos céus daquela terra, enquanto marcha em ritmo forte, homens e mulheres, semblantes sulcados pelos raios, pela esperança e sobretudo pela imposição da vida.
Não há esperança para os fracos lá.

Os jovens daquela terra desdenha do passado e se apóiam na inconsistência do futuro que ajudam a desconstruir.
Fraquejam sem esperança.

Os pensadores daquela terra montam seu altar em caixas televisivas, intelectualizam o preconceito, manipulam com o chicote das grandes corporações em riste, sempre pronto a punir a próxima revolução. São fracos e cínicos, sufocam com o próprio suor que goteja com sua culpa.

Não há esperança para os fracos naquela terra. Mas há os escravos dos dias e do tempo.

A eles há a glória pela busca por dias melhores e acreditam, mesmo que tácitamente, que não há honra na morte sem luta.

Os fracos! Os fracos de cima de suas muralhas de vidro e concreto, arranham o céu, mas não a face do Deus dos escravos lá em baixo.
Os escravos apesar de cegos, não se fazem de mudos, entoam o coro tão forte que há de abalar as estruturas das torres que abrigam os fracos, há de vergar o aço mais resistente e há de um dia despertar do berço esplêndido o gigante adormecido das américas.

Só espero que os jovens dessa terra despertem.

-----------------------------------------------------------------------------------------------
A escultura acima se chama Gloria Victis, de Marius-Jean-Antonin Mercié.

Eu me esqueci de mencionar: O nome que da título ao texto(Coro dos escravos) é de uma ópera de Giuseppe Verdi, linda, majestosa e emocionante, vale a pena conferir nos youtubes da vida.

24 comentários:

Dedinhos Nervosos disse...

Eu só consigo ver esperança nas crianças, SE começarem a ser bem preparadas hj. Os jovens já estão praticamente perdidos. Eu acho.
Bjos e obrigada pela visita ;o)

Barbarella disse...

A esperança é a última que morre para o caminhante, apesar do caminho ser incerto e imprevisível.

Mas já aos fracos. É como você disse:
"Não há esperança para os fracos naquela terra".

Bjos

Nina Ferreira disse...

Que possamos fazer dos nossos corações a nossa terra. Que possamos fazer dos nossos ideais e crenças a realidade. Que possamos ser o que queremos ver.

Lindo escrito.

Admiro-te imensamente.

Um abraço daqueles.

Beleza de Ser disse...

Conheço tantos desses seus pensadores, desses escravos...
"Vejo" nessa suas palavras tantas partes da humanidade !

|________Uerlle| || || |___| disse...

Falar de esperança pra essa terra,
parece até um pouco utópico,mas vale a pena acreditar,e se manter firme na idéia de que tudo pode ser melhor quando se deseja!

Tava com saudades de passar por aqui.!

Texto maravilhoso.!

Abração!
^^

Camilíssima disse...

Me surpreendo a cada visita a esse blog maravilhoso... Escritor multifacetado, poeta da realidade, visionário do cotidiano... Sobram definições para ti, que sempre me encanta. Desta vez, li em tuas linhas, muito do que eu queria dizer e não sou capaz. Parabéns pela sensibilidade para lidar com assuntos tão diversos. Entendes de amor, de mulher, de sentimentos pátrios... Ora, rapaz! Não preciso dizer, sabes de tudo!

Beijinhos...

Marcelo disse...

E na verdade, a opera de Verdi chamada Nabuco, tem uma ária chamada "va pensiero" que significa "vá, voe pensamento". Essa música foi usada pelos italianos na luta por sua independência no sec. XIX.

Ela é um hino de liberdade... talvez anime os fracos mencionado no texto... uma trilha sonora para sua luta.

ஜॐ♥ஜnikita ஜॐ♥ஜ disse...

Belíssima imagem, texto interessante, me fez refletir... E ainda estou refletindo...

Parabéns!

Marcio Sarge disse...

O Marcelo tem razão!
Bela observação. Valeu.

O amor e etc. disse...

Nossa geração não é tão revolucionaria quanto as outras, o desejode lutar pelo nosso pais não foi herdado, parece ter morrido com os nossos antepassados. Os jovens de hoje... não se importam, simplesmente. São escravos da mídia, e parece que pararam de pensar por conta própria, e sim, sem deixar de contar... quanto individualismo, pouco altruismo. Decepicionante.

Lindo texto. Motivador.

Stephanie disse...

Marcio,

ah essa juventude, esse tempo doído desesperado em que uns poucos pressentem e tem esperanças e desejam e desconfiam, mas que não aprenderem a pegar em armas, armar tumultos e meter o pé na porta

enquanto outros se entopem de enredos divertidos, colecionam gadgets marcas e outros signos

e tantos passados no moedor de carne sem perspectiva, mão de obra barata, herdeiros de miséria.

Quando você fala em geração por aqui eu sinto medo, me sinto fazendo pouco com minhas palavrinhas. E fico feliz por saber que você aqui, provoca.

beijos

ps.
adorei seu último comentário [considerando que 'anjo' é uma das palavras que eu menos esperava ler de feedback ao publicar aquele poema, hahaha]

Laila disse...

"(...)
Somos nós, meu senhor, mas não tremas,
Nós quebramos as nossas algemas
Pra pedir-te as esposas ou mães.
Este é o filho do ancião que mataste.
Este - irmão da mulher que manchaste...
Oh, não tremas, senhor; são teus cães.
(...)
Cai, orvalho de sangue do escravo,
Cai, orvalho na face do algoz,
Cresce, cresce, seara vermelha,
Cresce, cresce, vingança feroz.
(...)"

Os escravos - Castro Alves

HoneyBee disse...

Droga! Cheguei tarde a Laila robou meu comentário!

Queria eu ter apenas 1/4 desse teu talento...

Laila disse...

roubei nada!!
rsrsrsrs

Só pra registrar, o Messias Obama chegou para libertar da escravidão os povos fracos, refazer as alianças comerciais, tirar as tropas do Iraque, salvar o mundo e mostrar o "poder da democracia".

Bruno disse...

Ah, mas eu tenho esperança, sim.

Marcio Sarge disse...

Só tem um porém Laila. Eu não acredito nos Estados Unidos como libertador de povos escravizados, na verdade acredito mais nele como escravizador e politicamente perigoso.

Por trás das cortina de boa vizinhança americana se esconde o terrorismo que por vezes somos levados a acreditar que não existe.

Mas espero sim que Obama faça um governo melhor que se antecessor, acho que nem dá pra piorar rs.

Livia Queiroz disse...

Somplesmente Odeio ficar sem saber o que dizer...
Mas é assim que estou.
Me perguntando: O que dizer diante de um texto tão belo.

Nunca até o exato momento, li nada que retratasse tão bem a nossa realidade.

Perfect...
Parabéns...Parabéns...
Lindo texto...

bjaum

http://queiroz19.blogspot.com/

gilgomex disse...

muito bom... aliás como sempre...
aliás, axei q era um texto seu.
e o berço esplêndido ainda parece muito confortável para que todos se levantem e acordem para fazer algo definitivo.

Marcio Sarge disse...

Mas o texto é mesmo meu Gil rs

Marcio Sarge disse...

Mas o texto é mesmo meu Gil rs

Arlequim disse...

"Só espero que os jovens dessa terra despertem."
Espero junto a você.
E sem essa que a esperança está nas crianças. Não temos tempo pra perder, a esperança está em todos e cabe a nós correr e lutar por aquilo que achamos correto.
Fato!

Quando ao selo, você mereceu, meu bem. É sempre lindo e magico por aqui, babo mesmo e não tenho vergonha de dizer.

Beijos, querido

Sam disse...

Amigo, quanto tempo não passo aqui! Desculpa mesmo, é que com estes vestibulinhos de fim de ano meu tempo acaba comprometido :(

Lindo texto! Bom, sou otimista, acredito que o segredo para tornarmos os "fracos" fortes nesta terra seria prepará-los desde muito cedo para a vida. Hoje em dia, criam-se filhos com aquele protecionismo, fazendo com que eles entrem num círculo vicioso de ilusões do tipo "nada vai me acontecer, sempre estarei protegido".
O que, convenhamos, é bem utópico. Ninguém consegue viver numa redoma de vidro para sempre.

Já a nossa juventude...Bom, acredito que esteja parcialmente corrompida. Os valores mudam, o mundo também e têm pessoas que não conseguem lidar com o contraste do que sempre acreditaram e do que convivem agora.

(Nossa, praticamente fiz um post nos seus coments, rsrsrs)

Beijos querido
*E prometo não sumir mais*

carla m. disse...

Eu não consigo não ter esperança. Ela não é mais fantasiosa como antes mas está ali, sólida, cada vez mais sólida. Ela se fortalece quando vejo essa gente forte sorrir, gritar, correr. Não tem como perdê-la.

E lamento, mas os jovens não despertarão antes de se tornarem velhos e poderem fazer migalhas. Mas um dia alguém junta tudo e faz pudim de pão, hehehehe.

beijocas pra ti meu amigo!!!

Ellen Regina - facetasdemim disse...

Sarge, não sei se foi sua intenção, mas pareceu-me uma música melodiosa, quase uma versão realista do hino nacional.

 
Blog do Sarge - Templates para novo blogger